sexta-feira, novembro 12, 2010

Qual o preço da vida?

Qual o preço da vida?
Guilherme Fauque
Com a aproximação do Natal, instaura-se uma época de paz, amor,Noel apressado harmonia... será? Na verdade torna-se até irônico falar em paz, amor e harmonia numa época em que as pessoas estão extremamente agitadas e o stress é predominante. Presentes, enfeites, árvores de natal, papai noel, gastos além da conta, agitação, pressa... e o amor? E a paz? E a harmonia? Não são  produtos vendáveis no mercado, portanto, estão relegados, quando muito, a um segundo plano.

evil_santaNinguém mais duvida que o Natal é um grande negócio e não seremos hipócritas a ponto de querer defender uma pureza natalina que sabemos que não existe. “Irmãos, vamos amar uns aos outros” é um bordão religioso manjado e irritante. Ora, por que buscar a paz, a harmonia e o amor só agora? Se é para buscar estas virtudes, que se busque-as ao longo dos dias comuns da vida e não somente em datas festivas. Para o cidadão comum, o Natal é comércio, é disputa, é correria, é a época em que o homem é o lobo do homem, como dizia Hobbes. Quem lembra do nascimento de Jesus? Quem pensa na paz, no amor e na harmonia?


pai-natal-cContudo, hoje recebi a visita de um amigo com câncer que me disse, com o olhar cansado e tristonho: “É... o tempo corre. O Natal já está aí”. E olhando para todos os enfeites que havíamos preparado em casa, com os olhos marejados numa saudosa expressão de quem sabe que provavelmente não passará mais um natal, falou: “Como o natal é lindo”. Nunca o tinha ouvido falar desta maneira e parei para pensar no valor da vida... Pensei em quantos natais passamos correndo, estressado, esquecendo dos valores perenes. Afinal, quem é comerciante precisa faturar, quem é cliente precisa consumir, essa é a lei que mantém a nossa sociedade. Décimo terceiro, férias, créditos e empréstimos são liberados para fazer girar a máquina capitalista, esta sim o verdadeiro relojoeiro de Descartes, e assim todos vamos sendo arrastados pelo tsunami capitalista sem parar para pensar no valor da vida, no que somos e no que nos tornamos, de onde viemos e para onde iremos, qual é a nossa natureza e o que nos faz realmente felizes. Afinal, quem tem tempo para pensar nisso? Se pararmos para pensar a máquina antropofágica do sistema nos engolirá.

Afinal, por que trocamos nossa paz pelo stress? Por que trocamos o amor pelo ódio? Por que trocamos a harmonia por presente de natal?
Papai Noel (1)

Um comentário:

Guilherme R. Fauque disse...

Mensagem de teste

Uma pessoa reclamou sobre uma ocorrência de erro nos feeds ao enviar mensagem aqui... Bem, até pensei em arrumar, mas aí me lembrei de um detalhe... não faço a menor ideia do que é isso..

On-Line Translator