quinta-feira, setembro 24, 2009

Filosofia e Cinema: O Show de Truman

SERIA A REALIDADE UM SHOW DE TRUMAN?

Guilherme R. Fauque

O que você faria se descobrisse que sua vida inteira e tudo o que o rodeia não passassem de uma grande encenação? Que tudo o que você vivenciou até o momento não passasse de um grande teatro do qual você é o único que não esta ciente da encenação? Pois esta era a situação de Truman Burbank no filme “O Show de Truman”.

O filme do diretor Peter Weir nos apresenta uma bela crítica à fragilidade do que chamamos de realidade, onde nossos sentidos podem ser enganados e nossos pensamentos manipulados de tal forma que não percebamos que estamos vivendo como autômatos numa vida de aparências e da qual acreditamos ser a única realidade.

Truman Burbank, interpretado pelo caricato Jim Carrey, é um pacato vendedor de seguros na bela SeaHaven, um verdadeiro paraíso terrestre situado em uma ilha, onde tudo desenrola-se de forma perfeita e harmônica. Ali Truman nasceu, cresceu e casou-se. Adquiriu uma bela casa, um bom carro e a única tragédia em sua vida era a morte de seu pai, durante uma tempestade enquanto pescavam, que foi a gênese de um trauma do mar que o impossibilitava de sair da ilha.

No entanto, logo descobrimos que esta aparente vida perfeita, na verdade, desdobra-se num grande cenário, onde tudo não passa de uma grande encenação para um reality show transmitido 24 horas por dia desde o nascimento de Truman e ele é o único que não sabe disso. Sua casa, seu trabalho, seu melhor amigo, seus pais e até sua esposa não passam de uma grande farsa transmitida ao vivo.

Logo no começo do filme vemos o diretor do reality show, Christof, dizer que na vida de Truman não há encenações, “deixas” ou roteiros, as emoções são todas reais. Afinal, conclui ele, “nem sempre é Shakespeare, mas é genuíno... é a vida dele”. E então nos perguntamos, será que uma vida de aparências pode ser dita como genuína?

Noutro momento o melhor amigo de Truman, também um ator, diz numa entrevista: “É tudo verdade. É tudo real. Nada aqui é inventado, nada do que virem neste filme é falso. É apenas controlado”. E mais uma vez nos perguntamos: Se tudo é controlado e manipulado, sendo que Truman está sendo totalmente ludibriado desde o seu nascimento, podemos chamar a sua vida de real?

Analogamente lembramos-nos da Alegoria da Caverna, relatada no Livro VII da República de Platão, onde três prisioneiros são mantidos acorrentados, com suas cabeças voltadas para o fundo de uma caverna, desde que nasceram, em completa alienação quanto a vida externa. Tudo o que conhecem é o que lhes é apresentado perante sombras refletidas na parede, provindas de uma fogueira entremeio a eles e a saída da caverna. Esta é a única realidade que conhecem; aquela com a qual conviveram desde o seu nascimento.

Não obstante, um dos presos é liberto e levado à saída da caverna. Enfrentando um doloroso processo de adaptação e descoberta, ele compreende que havia vivido até aquele momento num mundo de sombras. Mas agora desvelava-se diante de si um mundo de cores, luz e formas definidas. Deslumbrado com a realidade que despontava a sua frente, deu-se conta que tudo o que até então acreditava ser real era apenas parcialmente real.

Desta feita, fica claro que para Platão o real estava no mundo dos ideias. Para Truman, por outro lado, estava no exterior do cenário de SeaHaven. Analogamente, percebemos que enquanto estivéssemos na caverna ou em “SeaHaven”, estaríamos no âmbito daquilo que Platão chamava de “sombras”. Não há certezas, tudo é confuso e imperfeito quando visto de um nível mais “elevado”. Assim, ao buscarmos a verdade fora da caverna (ou do cenário), entraríamos, então, ao nível da episteme ou do “conhecimento”, onde poderíamos ver com mais clareza a realidade. Para Platão esta era a solução para encontrar o Bem Supremo, ou seja, a verdade e a liberdade. Já para Truman, no entanto, talvez seja só mais um nível de uma realidade de aparências, embora certamente seja um passo a mais em direção a verdade almejada.

É evidente que SeaHaven não deixava de ser um grande cativeiro para Truman, que na sua condição de ignorância e manipulação assemelhava-se aos prisioneiros da caverna de Platão, agrilhoados diante de uma parede. Truman, no entanto, numa atitude corajosa, buscou impavidamente descortinar a realidade, diferente, por exemplo, dos seus telespectadores, que ao findar o show, não mudaram sua condição mental e mostrando uma atitude mais alienada do que Truman em seu cenário, ou do que os prisioneiros da caverna de Platão, permaneceram presos à frente da televisão, simplesmente trocando o canal a procura de uma nova programação.

5 comentários:

HANNA disse...

Guilherme
Excelente artigo. Assisti o filme e tambem refleti o quanto representamos na vida como forma de atender expectativas da sociedade...
Estamos tao acostumados obedecer scripts que se surge algo imprevistos ficamos atonitos sem saber como reagir!!!
parabens pela analise apurada.
iara

Ricardo disse...

Caro Guilherme:
Mais um texto que nos faz refletir, com a qualidade de sempre dos teus posts.
O nível de realidade que nos é possível alcançar é um velho - e, penso, eterno - problema da Filosofia. Não bastasse o autoengano a que nos submetemos voluntariamente - quando não queremos enxergar o que está bem diante de nossos olhos -; temos ainda a "ideologia", que automaticamente nos remete a um tipo de entendimento da realidade; e também a "trapaça" dos outros, enganando-nos voluntariamente.
Entretanto, sem dúvida, a mais filosófica de todas as abordagens diz respeito à possibilidade de conhecer a realidade em si. Nesse aspecto, sou um pouco mais kantiano do que spinozano... pelo menos no que diz respeito ao homem "comum". Entendo que a "scientia intuitiva" é difícil demais de obter para nos permitir ver o "Todo" como ele realmente é... ainda que possamos ter "relances" dessa visão e também da percepção do nosso pertencimento a esse "Todo". Fico um pouco mais com a impossibilidade kantiana de nos livrarmos dos óculos (categoriais) com que abordamos a realidade.
Abraços e Parabéns pelo texto.

ninni disse...

english blog?

http://www.ipod.org.uk/reality/reality_big_brother.asp

Guilherme R. Fauque disse...

Hello ninni

Thank you! This site is very interesting. Really there are a lot of similitudes between this themes. Truman, Matrix and the Cave of Plato have a lot of common points.

Be welcome here.

G.C.A disse...

Muito bom o seu texto. Poderia dizer que a filosofia de espinosa me fez perceber um mundo além da minha imaginação. Passei a vida inteira na caverna, vendo as coisas como eu as imaginava, vivenciando as consequencias, e com espinosa pude perceber as causas, percebi a limitação do meu processo imaginativo, aprendi a separar o ato de imaginar do ato de pensar. extamente como aconteceu com Truman Burbank em relação ao SeaHaven.

On-Line Translator